O QUE É UMA TRUFA OU TÚBERA?

   

Trufa designa-se por uns fungos ascomicentes, por vezes cultivados, da família das tuberáceas, de aparelho esporífero subterrâneo, e de constituição tubercular. Em regra aromáticos e comestíveis.

Também designados por Túbara ou Túbera. A qual pode ter uma forma arredondada ou irregular, devido ao terreno em que se encontra.

A trufa é um cogumelo que tem uma germinação hipogeia (frutificação subterrânea).

Elas surgem em Portugal na Primavera entre o fim de Fevereiro e o início de Maio. Têm à sua nascença uma forma minúscula aberta, no qual as suas extremidades vão-se fechar e formar a túbera. O interior da túbera vai-se organizar em veias estéreis, que depois tornar-se-ão férteis. Este conjunto de veias já autónomo forma o corpo da túbera, a qual é de cor branca e está envolta numa casca adornada por pequenas verrugas ou escamas que têm como objectivos protegê-la, e contribuir para a sua respiração e nutrição.

   

Monte de Túberas

 

 

DESENVOLVIMENTO DA TÚBERA AO SOL

 

Após algum tempo de dormência, os fortes dias de calor que surgem durante os meses de Março e Abril, juntamente com as chuvas que caiem nessa altura (stress térmico) vão provocar o  súbito aumento do seu ciclo. No seu interior o número de sacos de esporos vai-se multiplicar.

Os seus esporos transparentes vão escurecendo pouco a pouco. Quando o processo de escurecimento estiver concluído a túbera terá um aroma indiscutível, o qual é o indício de que ela  atingiu a sua maturação. Caso elas não sejam apanhadas, começam a degradar-se, começando a libertar os esporos. O ciclo continuará através da nova germinação de alguns dos esporos e da emissão de hifas  (conjunto do filamentos que constituem a parte vegetativa dos fungos) fazendo com que nasçam novas micorrizas.

   

 

Túbera na Terra

 

AS MICORRIZAS

 

As micorrizas são os organismos da simbiose da arvore e o cogumelo.

A conexão entre o cogumelo e a raiz é estabelecida a partir duma rede intercelular,denominada de rede de Hartig. As micorrizas produzem as hifas de colonização que transmitem a infecção a outras raízes do cimo. Em substituição os pólos absorventes vão explorar o solo à procura de minerais.

É ao nível das micorrizas que as trocas nutritivas da simbiose têm lugar.

A árvore dá ao cogumelo os hidratos de carbono, resultado da fotossíntese, em troca a túbera dá à árvore os sais minerais (fósforo). Ele ajuda a árvore a suportar as elevadas taxas de calcário e a gerir melhor a água. são as hifas que estão no exterior das células corticais da raiz.

   

Micorriza Micorriza

 

 

A FRUTIFICAÇÃO DA TÚBERA

 

A  frutificação é iniciada pela modificação da disposição dos filamentos micélicos que vão juntar numa estrutura celular especial. São diversos os factores que dão origem à frutificação das túberas, os quais podem ser endógenos ou exógenos: o nível da colonização de micorrizas, acumulação de reservas nutritivas, processos sexuais entre micélios, stress psicológico e/ou químico. A rapidez, brutalidade e intensidade do stress são benéficos em certos estados do seu ciclo biológico.

 

   

 

A NUTRIÇÃO DA TÚBERA

 

Os filamentos micélicos das túberas no auge das verrugas ou escamas são capazes de explorar o ambiente em volta, de absorver e distribuir os elementos nutritivos da gleba (terreno que contém minerais) pelas veias férteis, as veias estéreis têm como papel a sua respiração. Embora eles sejam divididos pela fauna que os alimenta, eles estão sempre a regenerar-se. O meio ambiente que os rodeia faz com que obtenham uma boa ventilação e que seja criada uma porosidade favorável para a túbera. Tendo o interface solo/túbera um papel fulcral para o seu desenvolvimento.

 

 

A TÚBERA E A ECOLOGIA

 

A vida e a morte das raízes no solo tem um papel permanente e muito importante para muitos seres vivos. A exsudação das raízes vivas alimenta os micróbios do solo de carbono. As raízes mortas entram no ciclo da matéria orgânica e contribuem para a fertilização do meio necessário para o desenvolvimento da túbera. A fauna assegura o seu trabalho indispensável de trituração, digestão, ventilação e nutrição onde a túbera prospera.

 

 

Paisagem

   

 

OS SOLOS PROPÍCIOS PARA AS TÚBERAS

 

As túberas não prosperam em todos os tipos de terrenos. em Portugal podem ser encontradas em muitas zonas do Ribatejo e do Alentejo. Zonas em que normalmente os terrenos são formados por aluvião, argilosos, os quais tenham areia.

Com uma boa capacidade de retenção de  água e que a sua variação do PH seja escassa, e onde existam consideráveis variações do fósforo, potássio e matéria orgânica. normalmente podem ser encontradas junto a sobreiros, azinheiras, oliveiras, pinheiros ou arbustos. Normalmente encontram-se em zonas em que exista a erva que se encontra na figura, a qual fica vermelha quando os terrenos têm excesso de água, ou exista alteração do PH.

   

Erva Túbera

Erva Túbera Vermelha

Erva Túbera Já Com Flor

   

 

FORMA DE AS APANHAR

   

Embora na França as pessoas para as encontrar o façam utilizando um porco, e observando e aguardando que o porco as encontre farejando e remexendo no chão, cá não é necessário isso. Basta uma pessoa munir-se com um pau com um bico na ponta ou um pequeno sacho para as retirar da terra.

Elas normalmente encontram-se com facilidade, dado que começam a aparecer ao cimo da terra quando estão no auge da sua maturação, fazendo pequenos montículos de terra muito idênticos aos das toupeiras, mas não tão acentuados, como pode ser visto nas imagens que se encontram em baixo. Às vezes até já estão praticamente todas fora da terra, o que facilita muito o trabalho das encontrar.

Mas existe outro método para as encontrar, não tão utilizado, dado geralmente elas ainda não terem atingido a sua maturação através dele. Esse método consiste em bater com um pau ou outro objecto do género do chão onde se pensa que elas existam, é fácil saber onde se encontra uma dado o som ouvido quando ele atinge o chão ser diferente de quando não existe nenhuma. Caso tenhamos dúvidas se é uma ou não e se ela está muito funda, basta começar a escavar, só existe uma se o terreno por cima dela estiver macio.

 

Em Portugal não existe muita tradição na apanha e comercialização das túberas, sendo mesmo a sua existência desconhecida para maior parte dos portugueses, o que não acontece na Espanha ou França. Onde para além de serem comercializadas e muito procuradas, são também produzidas por muitos truficultores durante praticamente todo o ano. Na França existem diversos tipos de túberas mas nenhuma é idêntica às portuguesas. Tendo aromas diferentes e a sua cor não ser a mesma.

Túbera a Romper a Terra